Paste your Google Webmaster Tools verification code here

TEMAS ATUAIS

Temas indispensáveis à formação de uma sociedade crítica e democrática

Telas e crianças: qual o limite para um desenvolvimento saudável?

tela

Há algum tempo, recursos tecnológicos como smartphones e tablets entraram na rotina das crianças como uma forma de diversão e distração. Porém, as telas estão ocupando um espaço cada vez maior e, muitas vezes, substituem outras atividades comuns para a faixa etária, como brincadeiras, prática esportiva e até passeios.

De acordo com o estudo americano chamado Zero to Eight, 10% das crianças americanas com menos de dois anos em 2011 usava gadgets em casa. Dois anos depois, esse número subiu para 38% e, em 2017, o número foi 95%.

A participação das telas na vida das crianças é evidente, mas será que essas tecnologias estão afetando a formação dos jovens? Há um limite de uso para que os pequenos tenham um desenvolvimento saudável?

Essas e outras questões surgem na cabeça dos pais sempre que eles recorrem às telas para distrair os filhos. No entanto, a preocupação é real e, por isso, vamos abordar na sequência deste artigo algumas dicas de como evitar exageros e garantir um desenvolvimento satisfatório para o seu filho.

Utilize o relógio como aliado

Limitar o tempo de uso dos gadgets é uma das formas mais eficazes de equilibrar a rotina das crianças em meio a tantos recursos tecnológicos. É importante que os pais destinem um tempo para montar uma rotina para o filho, que inclui estudo, banho, alimentação, brincadeiras e o celular, tablet ou computador.

Por mais difícil que seja no início, é essencial cumprir com os horários das atividades e evitar muitas mudanças que façam o filho deixar de acreditar no combinado. Cada família pode estipular um tempo para a utilização das telas, mas especialistas indicam que esse período seja fracionado ao longo do dia e que haja um equilíbrio com as outras tarefas da criança.

Telas não são a “válvula de escape” dos pais

Quando os pais estão ocupados, preocupados ou com uma série de tarefas para realizar, é comum eles utilizarem as telas como uma “válvula de escape” para distrair e entreter a criança enquanto ele se dedica a outra atividade.

O problema é quando essa atitude vira um hábito em casa. O filho entenderá esse comportamento dos pais e sempre que possível tentará ter acesso aos gadgets. Situações como essa fazem com que a criança fique muito mais tempo conectada do que o recomendado. Além disso, com os pais focados em outras tarefas, dificilmente haverá uma supervisão do conteúdo acessado pelo pequeno.

Mostre que o mundo real também é interessante

Quando as telas são apresentadas desde a primeira infância, o filho cresce com a ideia de que no mundo digital ele encontrará as atividades mais divertidas, como desenhos e jogos. Com isso, o uso será a cada dia mais constante.

A dica é mostrar para a criança que o mundo real também é muito divertido e que é possível fazer muitas descobertas. Apresente brincadeiras da sua infância para o seu filho, crie atividades em parceria com o pequeno e faça passeios em parques. Além de serem atividades que promovem o desenvolvimento físico e motor, elas ajudam a criança a entender que o virtual é apenas um dos recursos para ela se divertir e que há um mundo repleto de possibilidades para ela explorar.

No artigo de hoje, falamos sobre o uso das telas pelas crianças e também do limite para que os pequenos tenham um desenvolvimento saudável. Para continuar acompanhando dicas sobre educação, não deixe de conferir as próximas postagens do nosso blog.

Quer mais conteúdo?

Preencha os dados e receba o melhor conteúdo sobre educação e atualidade!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This